Sua empresa faz gestão de matéria-prima? Elencamos as 5 melhores práticas

Os insumos são estratégicos para a indústria, visto que a variação de preços pode afetar toda a cadeia produtiva, causando impactos até o consumidor final.

A flutuação das economias gera mudança drástica nos preços dos insumos, principalmente quando ocorre a alta do dólar.

Em 2018, por exemplo, a moeda subiu mais de 18% em 7 meses, elevando os custos dos insumos, do preço do combustível e dos demais fatores que influenciam a produção.

Por isso, investir em boas práticas de gestão de matéria-prima é essencial para o negócio.

Isso exige um planejamento eficiente e a adoção de medidas estratégicas.

Afinal, a disponibilidade de matéria-prima em uma empresa é o que garante a continuidade dos processos de produção e a qualidade da mercadoria final.Tudo isso interfere no lucro da companhia.

Quer conhecer as boas práticas de gerenciamento da matéria-prima? Acompanhe o artigo!

Importância de adotar boas práticas de gestão de matéria-prima

O gerenciamento eficaz dos insumos garante que a companhia tenha o controle total da linha de produção, desde o acompanhamento de pedidos até a entrega do produto ao cliente.

Uma indústria não consegue se comprometer com os prazos de entrega se não tiver bens disponíveis para produção, por exemplo.

A gestão de matéria-prima auxilia o gestor a aperfeiçoar os investimentos em estoque, reduzir custos e utilizar o dinheiro empregado da melhor maneira possível, evitando a depreciação ou o vencimento dos itens.

Portanto, o gerenciamento de matéria-prima é crítico para o desempenho da operação.

Ele demanda o acompanhamento das ações dos concorrentes, o monitoramento do índice geral de preços e um planejamento para o nível de atividade exercida. Só assim, é possível assegurar a lucratividade da companhia.

Estratégias para fazer a gestão de matéria-prima

Após compreender a importância de administrar bem os insumos da empresa, é possível adotar algumas estratégias para gerar mais eficiência nesse controle.

1. Monitore a linha de produção

Em primeiro lugar, é necessário compreender como funciona a linha de produção da companhia e os gargalos no processo. Essa avaliação ajuda o gestor a identificar onde há desperdícios ou falhas.

Também é muito importante ter atenção à qualidade dos materiais utilizados, bem como as quantidades usadas durante o mês.

Esse mapeamento pode ser feito de forma manual, com o uso de planilhas. Contudo, essa prática torna o procedimento mais difícil e suscetível a erros.

Um software específico para o seu modelo de negócio pode auxiliar o gestor a fazer esse acompanhamento de forma eficiente, pois ele permite o controle desde a entrada de matéria-prima até a saída final do produto.

Com isso, é possível analisar os dados dos insumos utilizados e criar um planejamento de compras de matéria-prima mais adequado para a companhia.

Logo, conhecer a empresa é a maneira mais correta de conseguir acompanhar os processos e evitar gastos desnecessários.

2. Faça um planejamento

A boa gestão de matéria-prima também depende de um planejamento adequado, conforme o perfil da indústria.

Sendo assim, é necessário analisar os dados da empresa para obter insights sobre a demanda.

O uso de tecnologias pode contribuir para o gestor fazer uma previsão correta da necessidade da empresa e instituir um planejamento de contingência, caso alguns fornecedores desistam da atividade ou ocorra uma situação que possa impossibilitar os casos de abastecimento.

A chave para o sucesso da companhia é ter visão para mitigar problemas e alavancar as oportunidades, utilizando estratégias de preços e promoções, conforme oscilação na demanda.

O uso de ferramentas para avaliar em tempo real as perspectivas de venda e produção é o melhor caminho para ter uma visibilidade de ponta a ponta.

3. Tenha fornecedores de confiança

A segurança da gestão de matéria-prima também se baseia nas estratégias usadas para compra de insumos. Afinal, sem eles, não é possível converter os produtos em mercadorias para a venda final ao consumidor.

Imagine, por exemplo, o caso de uma empresa com R$ 12 bilhões de receita.

Ela requer uma avaliação frequente de sua capacidade produtiva, assim como uma previsão das variáveis (como os fornecedores) para transformar tudo em produtos finalizados.

Essas análises podem ser traduzidas em margens de lucro mais atrativas, em função da previsão da capacidade de demanda e produção.

Logo, é necessário fazer a integração das informações entre setores e contar com bons parceiros, para conseguir aplicar margens mais interessantes.

Sendo assim, o gestor precisa se preocupar em manter uma lista de fornecedores confiáveis e de qualidade. São eles que vão auxiliar a companhia a produzir os materiais com a qualidade esperada pelo cliente.

É preferível, inclusive, ter mais de uma empresa disponível para um mesmo tipo de matéria-prima.

Além disso, a lista de fornecedores deve conter informações como as condições de pagamento aplicadas, a estimativa de tempo de entrega e a capacidade de demanda.

Tudo isso contribui para o gestor construir um plano de resposta a qualquer dificuldade que aparecer.

4. Faça a organização do estoque

É fundamental ter uma organização do inventário do estoque, assim como dos materiais que estão em uso pela produção. Sendo assim, pode-se separar a matéria-prima em categorias como:

1. Matéria-prima armazenada;

2. Itens em confecção;

3. Produtos acabados.

Utilizar técnicas de gerenciamento é fundamental para promover a economia de custos e a rentabilidade do negócio.

Esse controle também auxilia o gestor a garantir os níveis de qualidade dos produtos da companhia, a quantidade necessária para atender à demanda dos clientes e a qualidade final dos itens que chegam aos consumidores.

Ao retirar uma peça para fabricação, por exemplo, é necessário fazer o registro dela para que a equipe de compras possa programar a aquisição de novos itens.

5. Use a automação do controle de estoque

Um sistema ERP (Enterprise Resource Planning) faz a integração das informações essenciais dos insumos, bem como a validade de cada item.

Com uma classificação adequada dos registros de estoque, fica mais fácil fazer uma gestão eficiente de matéria-prima.

A ferramenta ainda permite que o colaborador possa identificar rapidamente onde está armazenado determinado item e, assim, dar continuidade ao processo.

Além disso, esse software é uma importante ferramenta de gestão de matéria-prima e de outras funcionalidades dentro da empresa.

Ele auxilia o gestor a ter uma visão ampliada do negócio, contribuindo para o controle de custos, o acompanhamento das ordens de serviços, o monitoramento dos níveis de estoque e do prazo de entrega.

O ERP permite configurar os índices mínimos e máximos necessários de matéria-prima e estoque, o que contribui para a companhia manter sempre a quantidade certa disponível para sua produção.

Ou seja, o software é uma plataforma completa que atende de ponta a ponta.

A ferramenta também ajuda o empreendedor a ter dados confiáveis sobre a empresa e acompanhar todas as mudanças da legislação, o que dá mais garantia sobre a adoção das práticas corretas no mercado.

Ao automatizar muitos processos da companhia, o gestor consegue eliminar erros e dar mais agilidade às atividades.

A gestão de matéria-prima, associada ao planejamento e à identificação de oportunidades, favorece o crescimento de um negócio. O controle efetivo só é possível quando há integração de informações e monitoramento dos dados.

Você busca um sistema de automação para sua indústria? Entre em contato com nossos especialistas e conheça a solução ideal para o seu negócio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *