Tecnologia ajuda a prevenir perdas no agronegócio

As perdas no agronegócio durante as colheitas de milho, arroz, feijão e algodão do ciclo 2015/16 e a redução do potencial incremento da soja deixaram uma dura lição ao agricultor brasileiro: é vital se precaver das intempéries. Com uma safra de grãos desenvolvida em meio a uma seca prolongada causada pelo El Niño e cujos resultados foram 25,8 milhões de toneladas inferiores às da temporada anterior (ou 12% do total, nas estimativas do IBGE), o produtor não pode mais contar apenas com um clima amigável para garantir um cenário positivo.

Para 2016/17, por exemplo, a estimativa do governo de aumento de 30 milhões de toneladas de grãos só vai se concretizar se o clima ajudar. Diante de cenário, como o produtor pode se preparar para os extremos climáticos?

Embora o clima não seja controlável, o avanço nos estudos da meteorologia e no desenvolvimento de recursos tecnológicos permite prever suas alterações e, consequentemente, melhorar as condições de trabalho dos produtores.

A solução da TOTVS para a Produção de Cultivos, o PIMS Multicutivo, permite configurar diferentes fontes de previsão de tempo, como institutos de pesquisa e consultorias meteorológicas. Além disso, com o aplicativo Agro Mobile Indicadores é possível ter acesso a informações em tempo real via dispositivos móveis.

“O PIMS Multicutivo permite ainda restringir ou emitir alertas para a programação de operações de acordo com o clima, por exemplo, restringindo a aplicação de um defensivo, se houver previsão de chuva”, explica Renato Caetano, analista de Negócios da TOTVS. A solução oferece também acesso e registro de dados climatológicos, captados por estações e equipamentos, como incidência de radiação solar, velocidade e direção do vento, temperaturas mínima, máxima e média, umidade relativa do ar etc.

“Cada cultura e variedade tem suas exigências hídricas para o plantio, ciclos vegetativos e colheita. Com base nas informações históricas e futuras, é possível avaliar as melhores datas para o plantio e os riscos inerentes de acordo com as datas escolhidas para execução das operações”, diz Caetano.

Outra ajuda importante é fornecida por consultorias meteorológicas. Elas realizam previsões de meses para identificar fenômenos climáticos, inclusive em pontos selecionados dentro de uma propriedade rural. Já é possível antecipar o período, a quantidade e distribuição de chuvas, emitir alertas para ocorrências de fenômenos como granizo, geada e fortes oscilações nas temperaturas em todo o país. As informações detalhadas podem ser acessadas via sites e dispositivos móveis.

Para os próximos meses, as previsões são de mais regularidade no regime de chuvas e normalidade nas temperaturas. “O que se espera, ainda sob a influência de La Niña, é a manutenção das características próprias de cada estação. Não há previsão de longos períodos de estiagem ou de chuvas intensas”, afirma Thaize Baroni, especialista em previsões para a agricultura da Somar Meteorologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *