Cenário favorável para a indústria sucroalcooleira

Tecnologia agrega gestão estratégica e mais produtividade para surfar no bom momento da cana-de-açúcar

Depois da quebra de rentabilidade do setor sucroenergético, que durou seis anos e levou ao encerramento de 70 usinas de açúcar e álcool, o planejamento da safra 2017/2018 de cana-de-açúcar se dá em um bom momento. O câmbio passou a ser mais favorável ao exportador brasileiro e os preços internacionais do açúcar subiram mais de 50%, superando o patamar de 19 centavos de dólar por libra-peso. No mercado interno, mudanças tributárias nos Estados e na União, e a nova política de preços para os combustíveis, com menor intervenção estatal, conferiram mais competitividade ao etanol em relação à gasolina. É preciso, porém, não perder o foco na produtividade.

“O fator que pode melhorar os resultados dos produtores nos próximos anos é a qualidade de gestão e da tomada de decisão”, diz Carlos Araujo, CFO da Mackensie Agribusiness e adviser da TOTVS. Para o consultor, o produtor deve se dedicar à busca constante da eficiência e ao domínio da informação dos fatores de produção, como mão-de-obra, máquinas e equipamentos, insumos, terra, capital e tecnologia. É a chave para controlar os processos, avaliar o desempenho de cada fator e planejar ações de aprimoramento.

Segundo Araujo, a solução TOTVS PIMS CANA disponibiliza informações expressivas para a tomada de decisão. O software é composto por vários módulos e oferece suporte a todas as etapas do processo produtivo, do preparo do solo à colheita da cana, passando pelo gerenciamento de ativos e a integração e controle da industrialização da cana.

O módulo de Planejamento de Atividades e Recursos, por exemplo, propicia o planejamento dos recursos nos diversos talhões de cana de açúcar e possibilita um controle efetivo do uso destes, identificando as variações e orientando possíveis correções. O módulo de Planejamento e Controle de Manutenção de Frota, por sua vez, permite o controle de manutenções de máquinas, implementos, colheitadeiras e caminhões e o adequado alocamento desses ativos, com impactos relevantes no custo de produção. Suprimentos, estoques, a gestão financeira são outros tópicos gerenciados.

“As informações operacionais coletadas pela ferramenta PIMS CANA assegura ao gestor conhecer realmente para onde, como e quando são aplicados os fatores de produção, garantindo uma gestão de custos realista e adoção de um concreto programa de redução de custos e incremento na lucratividade”, afirma o consultor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *